quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Baal (demónio)

Baal (por vezes soletrados Bael, Baël (francês), Baell) é um demônio, é amplamente mencionado no Antigo Testamento, como o principal deus pagão dos fenícios, geralmente associado com a deusa Ashtaroth.
 Arqueologia Cananéia/Fenícia
 Arqueologia Cananéia/Fenícia
 Baal é descrito como um deus semita e era adorado pelos Cananeus e Fenícios. Baal significa "O Senhor", que deliberou sobre o alto deuses montados sobre o santo monte do céu. (Como uma redação: este não é um ponto absolutamente claro. El ou Elohim era realmente o pai Deus dos deuses em Cannon. El foi convidado para ajudar Baal quando ele foi morto por Mot, deus do submundo. El não pôde impedir a morte de Baal, mas Baal foi renascido) Baal era principalmente um deus do sol, chuva, trovões, fertilidade e da agricultura e, em algum momento, ele ultrapassa o deus da água, Yam. Baal é o filho do deus Dagan ou Dagon, outro deus Cananeu semita. Foi este "deus do grão", que permitiu a ser Baal renascido.

 Possibilidades na demologia Cristã
 Baal Rafar é um demónio cristão.De acordo com o demonologia cristã, Baal ("Bael geralmente soletrado" neste contexto; há uma possibilidade que as duas figuras não estão conectadas) estiveram classificadas como o primeiro e rei principal no inferno, governando sobre o leste. De acordo com alguns autores o Baal é um duque, com as sessenta e seis legiões de demónios sob seu comando. O termo "Baal" é usado em várias maneiras no antigo testamento, com o significado usual do mestre, ou do proprietário. Veio significar às vezes o deus pagão local de um pessoa particular, e ao mesmo tempo todos os ídolos da terra. Igualmente encontra-se em diversos lugares no Baalim plural, ou em Baals (2:11 dos juizes, 10:10). Havia muitas variações, tais como o deus de sol, o deus da fertilidade, e Beelzebuth,senhor das moscas ou BALL HAMON.
Durante o período inglês do Puritano, o Baal foi comparado a Satanás ou considerado seu assistente principal. De acordo com Francis Barrett, tem o poder fazer aqueles que o invocam de forma invisível, e para alguns demonologistas, seu poder é mais forte em outubro e segundo algumas fontes, pode fazer povos sábios, de terem problemas de voz (com um tom vocal caracterizada pela fraqueza da intensidade e excessivo soprosidade), e carregar cinzas em seu bolso.
Enquanto seu antecessor semítico foi descrito como um homem ou um touro, o demónio que o Baal assumia, na tradição dos grimórios, a forma de um homem, de um gato, de um sapo, ou de combinações destes. Uma ilustração do livro Dictionnaire infernal (Dicionário do Inferno), de Collin de Plancy em 1818 colocou de forma curiosa, as cabeças das três criaturas em um jogo dos pés da aranha.
A ideia do Baal como um demónio, foi criada quando a cristandade transformou deuses antigos em demónios e o demonologia dividiu assim, a população demoníaca do inferno em diversas hierarquias. O Baal, deus Semita, não escapou, transformando-se em uma entidade separada do Beelzebub. Mas na verdade desde muito antes do cristianismo já existe referência sobre Baal, nos escritos judáicos antigos, por exemplo no livro dos Reis. O profeta Elias propoe um combate contra os profetas de Baal e segundo o Livro os derrota a todos com fogo enviado dos Ceus por Deus.

 Selo de Baal

 

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Baal_%28dem%C3%B3nio%29

1 comentários:

Conexão Adoremos disse...

Boa tarde! Primeiro gostara de parabenizar pelo blog inteiro saiba que nós do Conexão Adoremos(http://www.conexaoadoremos.blogspot.com.br) estamos a inteira disposição para compartilharmos de nosso espaço com vocês.

Que Deus continue lhe abençoando, dirigindo e instruindo dando-lhes discernimento.

Carlos Aragão
conexaoadoremos@gmail.com
http://www.conexaoadoremos.blogspot.com.br

© Blog da Adoradora Joyce, AllRightsReserved.

Designed by ScreenWritersArena